• Topmind

Adiamento da LGPD: o que muda para as empresas

Por Sandra Maura, CEO da TOPMIND



Estamos vivendo um momento de grande transformação, com desafios diários. A pandemia gerada pelo coronavírus está obrigando que as empresas implementem modelos de trabalho remoto e novos sistemas de gestão para manter suas operações em funcionamento. O futuro digital, ao que parece, chegou, mas de uma forma impositiva e em um ritmo mais acelerado do que imaginávamos.


No meio de tantas mudanças, aqui no Brasil, tivemos o adiamento da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Ao invés de entrar em vigor no segundo semestre desse ano, foi adiada para agosto de 2021.


O adiamento é uma boa notícia. De forma geral, o adiamento na aplicação da LGPD representa apenas mais tempo para que as empresas se preparem para a nova legislação nacional - e é bom que seja entendido justamente dessa maneira. Mais do que isso: é fundamental que os executivos e líderes de tecnologia encarem o adiamento da nova regra como uma oportunidade de ouro para colocar as operações em dia, em total concordância com a lei.


Ainda há um enorme contingente de companhias que não estão prontas para as regras da LGPD. De acordo com levantamentos de mercado, cerca de 85% de todas as empresas do País ainda não se prepararam para o cumprimento efetivo da nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. Muitos empreendedores sequer entenderam que suas organizações também terão de se adequar.


Para essas companhias, o adiamento das regras significa uma nova chance. É o momento de avaliar quais são os processos críticos, quais são as mudanças a serem feitas e, ainda, estabelecer quais áreas e profissionais poderão ajudar sua operação a cumprir as prerrogativas da lei.


Se sua empresa ainda está nesse processo, é essencial seguir investindo em aprimoramento contínuo dos recursos de TI, gerenciamento de dados e, claro, segurança dos registros. Ou seja, não espere simplesmente o tempo passar. Ao contrário, a grande dica é usar esse tempo extra, de um ano, para avançar ainda mais.


Os impactos da pandemia têm deixado claro que a digitalização dos negócios e a utilização da tecnologia serão mandatórios para as companhias. Quem quiser vender, precisa estar pronto para combinar o mundo real e o virtual, sempre garantindo a privacidade dos usuários e a eficiência das plataformas de atendimento. Vale destacar, por exemplo, que estudos já indicam que o uso de dados pessoais crescerá substancialmente durante os próximos anos, principalmente à medida que as empresas reforçarem a utilização de novos recursos de tecnologia para satisfazer seus consumidores.


Exatamente por essa razão, o adiamento da LGPD não deve ser avaliado como um passo atrás nas ações de proteção e uso de dados. Ao contrário. Seguir os parâmetros da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais pode ser uma oportunidade interessante para construir planos estratégicos que permitam a retomada mais rápida das vendas em todos os meios.


A legislação tem que ser encarada como uma cartilha básica para o desenvolvimento de negócios digitais – e não como uma ameaça. A LGPD é muito mais do que a imposição de sanções e multas às empresas. Antes disso, ela pode ser um guia capaz de fornecer a trilha certa para novas vendas e oferta de melhores experiências aos consumidores.


A adequação das operações requer, por sua vez, atenção contínua ao funcionamento das estruturas e a definição de parcerias estratégicas que mitiguem todo e qualquer risco. Cuidar das informações começa com infraestrutura e software adequado, bem configurado e moderno. Para o mundo pós-pandemia e regulamentado pela LGPD, é necessário que as companhias adotem estratégias e ferramentas que entreguem o máximo de performance sempre - em qualquer lugar e horário.


Ter uma operação funcionando 100%, com segurança e qualidade no uso das informações, é uma necessidade que vai muito além de qualquer lei. A mudança da data de vigor da LGPD, nesse sentido, é apenas uma medida de cuidado. Afinal de contas, é fato que este é um momento único e transformador. Saber utilizar a TI, as informações e o tempo extra em favor dos negócios será, portanto, um diferencial estratégico. Quem entender isso, certamente levará vantagem neste novo mundo.

Sobre a TOPMIND

A TOPMIND é uma das principais empresas de soluções em tecnologia do Brasil. A companhia possui quatro áreas estratégicas: TOP DIGITAL (TOP Smart Control - Automação e gestão de salas de reunião, TOP Smart Board - Telas interativas de apresentação, e Outsoarcing), TOP TI (Field Services, Projetos, Service Desk, Infraestrutura, Aplication Management Services e SAP), TOP TELECOM (ControlTEMM – Enterprise Mobility Managemen: Gestão, Auditoria, Governança dos ativos de Telecom, Impressões e Licenças de Software), e TOP BPO - Business Process Outsourcing (DOT NET, JAVA, SAP, PMO, Android, Big Data, Business Intelligence, Robótica e Inteligência Artificial). Com uma equipe composta por mais de 450 profissionais, a empresa atende clientes em todo Brasil, também com atuação na América Latina e Estados Unidos. A TOPMIND também é idealizadora do projeto social TOP+PRÓXIMO. Para mais informações acesse www.topmind.com.br



PLANIN – Assessoria de Imprensa da TOPMIND

Angélica Consiglio, Beatriz Imenes e equipe - www.planin.com

Contatos:: Caroline Belleze, Ana Flávia Richter e Thelma Kai

Tel.: (11) 2138-8909 - E-mail: topmind@planin.com

0 visualização